ATENDIMENTO VIA SKYPE

31.8.16

Dimensões: BDSM, mundo baunilha e a camada dos fetiches


dimensões.bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão

Coloco aqui a minha visão sobre o Universo BDSM e adjacências, desde a primeira grande conclusão sobre esse delicioso “lugar” até o que penso sobre tudo isso hoje em dia.

O que começou como uma breve descrição sobre algumas das minhas primeiras observações e conclusões, acabou se transformando em algo bem maior... Decidi que além de viver as minhas relações afetivas nesse "lugar", começaria a migrar a minha vida profissional para o mesmo universo. 

Todas essas mudanças internas transformaram a minha visão sobre o que existia a minha volta. Eu precisava entender o que estava acontecendo e isso se tornou algo obsessivo. A maneira como enxergava as coisas já não me satisfazia e o lugar onde me encontrava não era mais o meu.


PASSEANDO NO PARQUE


bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão


Lá no início, não imaginava o quanto era importante “ser isso” ou “ser aquilo” na vida como um todo. Já tinha resolvido bem a questão de “viver a minha natureza de forma plena” e assim foi... por muitos anos... até sentir a necessidade de procurar outros com os mesmo gostos, preferências e interesses.

Mas ao interagir com outras pessoas, percebi que as coisas não se resumiam apenas ao bom e velho “viver a própria natureza”. Existia uma certa sincronia, evidenciada em uma "consciência coletiva" que orientava um tipo de movimento que agrupava essas pessoas num mesmo canal.

Com certeza havia um "algo mais”, que estava bem diante do meu nariz, porém não conseguia enxergá-lo. Passei então, a observar tudo mais atentamente, e não só o que acontecia comigo, mas também com aqueles que estavam a minha volta. 

Foi daí que extraí minhas primeiras conclusões. O Universo BDSM não era apenas um lugar, mas possuía uma fronteira clara e definida com o Mundo Baunilha (região das relações afetivas formada de sexo e aparências, onde encontramos o namoro, o noivado, o casamento e suas variantes). 

E era justamente nessa fronteira, que o “São” do S.S.C. (São, Seguro e Consensual - sigla fundamental do BDSM) se relacionava à manutenção da sanidade... os dois mundos não deveriam se misturar. 

bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão

Ao enxergar o BDSM como um lugar, o uso do termo “Parque de Diversões” como metáfora era bem adequada, pois salvo raríssimas exceções, não se mora ou sobrevive no parque. Vamos até ele em busca de diversão e relaxamento, para extravasarmos a tensão de manter nossa verdadeira natureza suprimida no Mundo Baunilha. 

Por outro lado, não devemos ir para fugir dos problemas ou procurar soluções para a nossa vida pessoal.
Na época, alguns não entenderam a metáfora e fui criticado por comparar o BDSM a uma brincadeira. A grande ironia era que, de certa forma, o BDSM é uma deliciosa brincadeira de adultos. Tudo muito sensorial. 
Mas apesar de tudo, ainda faltava alguma coisa para essa conta fechar... Olhava aquele "modelo" quase perfeito que havia criado e este não saia do “quase”. Não era tão simples assim.


UM PARQUE PEQUENO DEMAIS


A observação de cenários sempre foi uma ferramenta muito útil, mesmo assim, volta e meia era traído pela minha própria percepção. Olhava para frente, sem me valer da "visão periférica". Via apenas Baunilha x BDSM e nada além desse eixo, me interessava. Só comecei a olhar para fora, quando passei a observar pessoas se descrevendo como criaturas hibridas... habitantes de vários universos. 

O primeiro exemplo foi o de um Dominador podólatra, coisa que não fazia o menor sentido para mim. Eram coisas antagônicas... pois os "Podos" que conhecia só se colocavam em atitudes subservientes “aos pés” de suas Deusas. E para mim, um Dominador existia (e ainda penso assim) para ser idolatrado e jamais para idolatrar. 

Como encaixar uma atitude de idolatria (seja lá do que for) com um ser que fundamentalmente é o ídolo? Não fazia sentido, mas o moço estava lá, com seu reino montado, várias posses dedicadas e tudo funcionando na mais perfeita harmonia... que satisfazia a ele e às suas parceiras. 

O que eu via era tão grande, que não enxergava o todo... acima do Mundo Baunilha não existia apenas o Universo BDSM, mas um grupo de universos (e possibilidades) com fronteiras não muito bem definidas entre si. 

E aí tudo se encaixou... não era um Dominador Podólotra e sim, um Dominador “e” Podólatra, uma vez que a Dominação e a Podolatria ocorrem em Universos diferentes.

bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão

Indo mais fundo, descobri que várias práticas normais dentro do BDSM eram emprestadas de outros universos e que existiam de forma independente. Assim, muitos transitavam entre eles, pertencendo simultaneamente a mais de um.

Na época, acreditava que tudo era BDSM, mas esse "tudo" era dar nome a coisas que já tinham nome. Sem falar que a própria sigla BDSM já era uma tentativa de agrupar as principais áreas que formam as relações de Dominação e submissão. 

Considerando que a hierarquia é o seu fundamento, na minha opinião, poderia ser chamado simplesmente de Universo DS, onde aqueles que se completam dominando se relacionam com aqueles que se completam na submissão. Mas até inventarem coisa melhor, BDSM está de bom tamanho.

A Podolatria foi a primeira região da sexualidade que percebi que tinha pouca coisa em comum com o BDSM, embora seja riquíssima, merecendo ser tratada como um universo completamente independente e autossuficiente.

Com saltos, sandálias, descalços e até com chinelos, podos idolatram pés e ponto. A “pouca coisa em comum” vem do fato de existir uma fronteira entre a Podolatria e o universo BDSM. Uma região de contato onde aparece a relação de poder que é o maior sinal da ocorrência deste último.
Assim como existem Podos puros, que se ajoelham apenas para ficarem mais próximos do seu objeto de desejo, existem aqueles que transitam pelo BDSM, adotando posturas de submissos e até de Dominadores (como observei depois). 
Portanto, podemos encontrar vários tipos de combinações, algumas bem pitorescas, como a submissa no BDSM, que é Deusa na Podolatria ou Lolita no Age play.

E não são apenas as pessoas que transitam entre os universos, mas também suas práticas... Duchas douradas, imobilizações e Spanking existem de forma independente e são amplamente utilizadas no BDSM, para enfatizar a distância hierárquica. Pessoalmente, gosto que idolatrem meus pés, atitude que vem diretamente da já citada Podolatria.

Fiquei muito feliz em ter chegado a estas conclusões, vendo quase todas as peças iam se encaixando perfeitamente. Quanto mais a minha mente se abria, mais coisas se descortinavam e ia ficando evidente que tudo estava conectado. Felicidade essa que durou pouco, ainda faltava algo.

Os adultos não se divertiam no BDSM como num parque, ou seja, de forma aleatória e desorganizada. A felicidade caótica dos parques de diversão não condizia com a plenitude do Universo BDSM.


O QUE VEM ALÉM DO PARQUE


O modelo que tinha criado não funcionava mais para descrever o BDSM de forma completa. Bem como não explicava as distorções e a ocorrência de tantas pessoas “estranhas” nesse Universo, circulando de forma livre, leve e solta...

Doentes, curiosos e esquisitos dos mais variados tipos inundavam o meio, provocando lambanças e fazendo com que pessoas sérias se recolhessem indignadas.

E mais, meu modelo não explicava como tudo se conectava. A resposta desta vez estava tão perto dos meus olhos, que se comportava como vento. Eu ouvia, sentia e não enxergava... mas sabia que estava lá... em algum lugar.

Acompanhando o processo desde o seu início, vi que havia uma rotina, um processo genérico que servia de eixo básico e principal, para as inúmeras variantes no caminho de saída do Mundo Baunilha para além do horizonte.

bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão

E tal rotina era a de que, em algum momento de sua existência, determinadas pessoas, que atingiam um certo grau intelecto-cultural, começavam a conviver com algum tipo de insatisfação em relação ao seu estágio atual de sexualidade (isso quando existia alguma sexualidade). Algo que depois, viria a a observar em quase todos os aspectos de nossas vidas.

De repente, tudo ficava meio morno, meio igual. Aquela rotina das “preliminares + sexo + nada” não satisfazia mais e as meias sensações só aumentam o vazio. 
Filmes, livros, fotos, histórias dos amigos e outras coisas picantes mexiam com o imaginário e aparecia uma luz no fim do túnel. Mais ainda... no fim desse túnel lampejava todo um jogo de luzes da chamada Camada dos Fetiches.

ORDEM E CAOS - A CAMADA DOS FETICHES


A verdade é que as pessoas que iniciavam o trânsito entre os universos não iam direto do Mundo Baunilha para o Universo BDSM ou qualquer outro. Elas chegavam a uma camada intermediária, entre o Mundo Baunilha e o Universo BDSM, que faltava no meu modelo.

Essa camada é o primeiro lugar encontrado logo depois que o Mundo Baunilha não oferece mais um estado de satisfação completo, sendo visto mais claramente por quem já está em busca do "algo mais" das camadas superiores do próprio Mundo Baunilha, como o casamento aberto e o Swing. É um lugar delicioso, livre, libertino, intenso e caótico.

Reinam aqui as algemas forradas de pelúcia, tapinhas que não doem, roupinhas fashion, couros, látex, corsets, botas, saltos, as fantasias de médico, enfermeira e empregadinha, entre outras coisas. 
Na Camada dos Fetiches as pessoas se soltam por completo, pois experimentam a sensação da liberdade de "poder ser o que não é" no Mundo Baunilha, além de toda a intensidade que brota disso. O caos acontece porque as pessoas chegam encenando belíssimos personagens, alguns muito bem elaborados, mas ainda trazem em si, bem arraigados, os valores do Mundo Baunilha.
É bom lembrar que falo aqui apenas de valores referentes aos relacionamentos e que as relações do Mundo Baunilha dependem (em muitos casos) de artifícios como hipocrisia, mentira e conformismo, para que se mantenham minimamente equilibradas e estáveis. Do contrário, poderiam entrar em colapso e muitas vezes entram... por não levarem em consideração a natureza mais básica dos seres humanos.

O caos é consequência direta da colisão desses valores distorcidos do Mundo Baunilha com a liberdade extrema encontrada na Camada dos Fetiches, somada à total incapacidade da pessoa em lidar com tal liberdade. Assim, os personagens são vividos intensamente e as fantasias voltam para o armário depois da festa.

A Camada dos Fetiches é a película de contato entre o Mundo Baunilha e os outros universos. É o verdadeiro Parque de Diversões. Ou pelo menos, a área do Parque com os brinquedos menos radicais. 

O Universo BDSM é algo muito maior e o que faz a diferença é justamente a existência de uma ordem, que emerge deste caos da Camada dos Fetiches. É um lugar que necessita da verdade para funcionar, não cabendo aqueles “artifícios” que mantêm as relações do Mundo Baunilha em equilíbrio. É a região do Parque onde ficam as Montanhas Russas.
Uma das características fundamentais do BDSM é a existência de ordem e hierarquia. Alguém sempre está no comando. A parte que Domina exerce poder sobre a parte submissa, que se entrega e confia no Dominante. A verdade é diretamente proporcional o quão puro é o néctar que se deseja extrair de tudo isso. 
bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão

Posso citar alguns exemplos, que vão deixar bem claro o modelo que proponho... A "enfermeira e o paciente" é um deles. Se os dois simulam os cuidados médicos com muita sensualidade e safadeza, é fetiche. Se ela prende seu paciente numa cama de contenção, exercendo poder e controle sobre ele, é BDSM. 

Outros bons exemplos são: a freira e o monge, a aluna e o professor, o encanador e a cliente, e por aí vai. Ou seja, transar com as roupinhas e os brinquedinhos é apenas fetiche... Se ocorrer o controle do parceiro é BDSM (onde existe hierarquia, existe BDSM).


DISTORÇÕES E VALORES


Recapitulando, cada vez que tentava ver mais longe, as respostas que encontrava apontavam para mais e e mais perto.  E o final dessa busca estava mais perto do que imaginava... dentro de mim. Depois de colocar a variável dos fetiches na equação, tudo começou a fazer sentido, todos os distúrbios estavam explicados.

Enfim, descobri o motivo pelo qual tantas pessoas se machucavam no processo. Aquele festival de gente estranha que se achava BDSM, não passava de personagens da Camada dos Fetiches. Quando percebiam a existência desse universo (e adjacências), vinham na direção daqueles que de fato o vivenciavam, acreditando que seus disfarces garantiriam sua aceitação.

No entanto, agregavam-se a uma massa disforme e incoerente, que não fazia a menor ideia de como funcionavam as camadas acima do Mundo Baunilha... Pessoas que faziam o melhor que podiam com os valores advindos dele, formando algo que chamo de “Pseudo Meio BDSM” ou "Limbo". Ou seja, uma região que fica a margem de onde os adeptos de fato se reúnem.

Tais pessoas tentavam “abaunilhar” o BDSM, distorcendo a realidade de todas as maneiras, para que esta se encaixe nos seus valores antigos. Nesse momento é que ocorrem atitudes como “quero um Dominante só para mim” (Dominadores podem ter várias submissas… é verdade?) ou “faço qualquer coisa para levar ela pra cama”. Os “sem noção” simplesmente não entendem a coisa mais básica: que cada universo tem seus valores e, às vezes, eles diferem por completo. 
No caso do BDSM, este só ocorre com a existência de ordem e hierarquia. Sem isso, é algum outro tipo de relação, que já tem nome e existe em outro universo.


PARA DENTRO E PARA O ALTO


De fato, dentre todas as minhas constatações, a mais importante é a de que não existe um parque ou lugar específico para se divertir. Não como lugares geograficamente mensuráveis.

Mas o termo “universo” cabe bem para se descrever outras formas de se relacionar afetivamente, onde tudo é abstrato e com fronteiras muito tênues. Além de extensão, também ocorre uma faixa onde as características desses universos se misturam.

bdsm, mundo baunilha, fetiches, relacionamentos, dominação, submissão

Esses "lugares" estão dentro de nós, das nossas cabeças... e vão se materializar na medida em que, de forma consciente, desejemos isso. Algumas pessoas permanecerão em universos específicos, outras em vários e existem aqueles elevados, que vão onde desejam e vivem como querem.

Os elevados, citando o exemplo de Matrix, são os que escolhem a pílula azul, enxergando a verdade como ela é. Assim, têm o poder de transitar por onde quiserem. São aqueles que "fecharam o círculo", que voltaram ao princípio, dando o primeiro passo para a sabedoria, que é a real conclusão de que não se sabe nada. 

O termo elevado é muito bom, pois de pontos mais altos podemos enxergar além do horizonte... E o que existe além do horizonte baunilha é o que a vida tem de melhor a oferecer. Do Mundo Baunilha para o que existe além é uma viagem interior... única. Mais fácil para uns, mais difícil para outros, a melhor parte é tudo aquilo que acontece ao longo dessa jornada. 

Acredito que não seja um caminho com um destino específico, afinal de contas, somos seres em constante mutação e evolução. No entanto, quanto mais crescemos e nos elevamos, mais horizontes surgem para serem explorados.

Até certo ponto ainda é uma brincadeira... é um parque... para a maioria. Mas para alguns, o Parque pode ser uma opção de moradia.


GLADIUS MAXIMUS

Primeira versão publicada em 28/10/2010
Revisado e atualizado em 22/11/14
Revisado e atualizado em 04/09/16





>>>>>>> Deixe seu comentário e compartilhe!

25 comentários:

  1. Senhor GLADIUS,

    Talvez tenha sido, até o momento, o melhor texto que já li aqui. O tipo que gosto, para ser lido e relido, gerando questionamentos e um trabalho árduo da mente rs. Certamente retornarei à medida que for dissecando-o. Por hora só posso Lhe parabenizar, espetáculo de texto!!!
    Meus respeitos Senhor..

    ResponderExcluir
  2. jaque28.8.10

    Um texto que expressa o que sentimos em relação ao BDSM...Será um texto que levarei comigo, como ensinamento...Parabéns Senhor...Texto Perfeito

    Deixo meus respeitos e agradecimentos por nos presentear com esse texto lindo

    ResponderExcluir
  3. Senhor,
    Gostei muuuuuuuuito da sua reflexão!!!
    "Cada Universo tem seus próprios valores, particularidades e efeitos. O BDSM, por exemplo, ocorre com a existência de hierarquia a ordem. Sem isso é alguma outra relação que já tem nome e existe em outro Universo."
    Perfeito!!!!!!!!!
    Obrigada pelo prazer desta leitura neste domingo ensolarado.
    Saudações respeitosas.
    melissa

    ResponderExcluir
  4. Caro Gladius

    Mais um brilhante texto, a descoberta de si proprio e o melhor da vida.

    "As pessoas com quais convivemos parecem
    ser todas iguais, porém só se diferenciam
    quando encontramos nelas determinadas
    qualidades que as tornam especiais......meus parabens

    Grande Abraco

    Sir.MARTINS®

    ResponderExcluir
  5. Anônimo29.8.10

    Excelente texto. Evolução não tem fim...espero ler a atualização dele e o que vem a seguir, não sei se em anos...ou meses...O tempo em Matrix é relativo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Hummm...gostei! Adorei...

    ...até em um determinado momento eu estava ansiosa e preocupada com o andamento do texto, mas à partir de

    "E a grande conclusão foi que a questão não é mais de ser BDSM, Baunilha, isso ou aquilo. A verdade..."

    Parabéns!!! Excluiu "rótulos", deixou as pessoas caminharem naturalmente...sem fronteiras, isto é importante!!!

    (entendi direito??? Li apenas uma vez e rapidamente...adorei os gráficos!!! Lindos!!!!rs)

    Hummm....ameeeiii!!!!

    Bruma Avalon

    ResponderExcluir
  7. Começo afirmando que não acredito em verdade absoluta, para nenhum assunto aliás. Acho que existem opiniões de acordo com o ângulo em que estamos, e por isso sempre descobrimos coisas novas e muitas vezes até mudamos a forma de pensar, pois estamos em constante movimento, ou seja, observando por outros ângulos! Baseada nisso, posso dizer que vc ocupa uma posição privilegiada para falar sobre BDSM! Parabéns, a importância do texto reflete nos comentários daqueles que puderam ler.
    Só quem passeia pelo parque e experimenta a roda gigante e o carrosel (pq não?) pode voltar a montanha russa sabendo exatamente qual é seu lugar e o que dá mesmo tesão, pra seguir em frente! Estou nessa fase, e espero poder um dia definir meu brinquedo favorito..rs.
    Max, impossível ler esse texto apenas uma vez e formar uma opinião sobre um assunto tão cheio de detalhes. Confesso que li, reli e vou voltar quantas vezes precisar para desvendar cada entrelinha, de cada trecho. Parei nesse papo de fetiche, e atualmente acho que é a busca pelo 'algo mais' para quem ainda não sentiu o BDSM na pele(literalmente). Para quem está nessa fase (fetiche) e anda achando as coisas tão (ou mais) mornas que o baunilha...talvez seja hora de experimentar um brinquedo novo, e o texto me ajudou a refletir sobre isso!
    Suspiros...
    bjO!

    ResponderExcluir
  8. Na verdade esta é a melhor parte do texto para mim:


    "E a grande conclusão foi que a questão não é mais de ser BDSM, Baunilha, isso ou aquilo. A verdade é que existem as pessoas elevadas que percebem a existência dos Universos além do fetiche e tem a estrutura mental necessária para transitar por eles."

    Parabéns de novo!!!!!!!!!!!!

    Bruma Avalon

    ResponderExcluir
  9. Saudações, Sr


    O texto é Completo, analitico e profundo...

    Uma cartilha, com lições e ensinamentos.

    Adorei, Sr. GM.

    ResponderExcluir
  10. Buenas Noches nobre Glaudis,

    Brilhante e oportuno texto!Ainda mais que atualmente, vejo muitas pessoas querendo praticar o BDSM de maneira superficial.Sou blogueiro http://marquesdecampinas.blogspot.com vai ser uma honra ter o nobre como leitor e seguidor.

    Saudações SM,
    Marquês de Campinas

    ResponderExcluir
  11. Excelente viagem introspectiva.

    Boa leitura para aqueles que acham que só existe uma verdade, uma lei a seguir....

    Os horizontes existem, estão ao nosso alcance, só não enxerga quem não tem capacidade de vê-los ou não deseja abrir os olhos para a realidade.

    Beijos carinhosos e respeitosos,

    ÍsisdoJun

    ResponderExcluir
  12. Sr Gladius,
    tenho lido seu blog há algum tempo, e tem me ajudado a compreender muitas coisas e a fazer outros questionamentos. Por isso, obrigada por compartilhar sua experiência e sua sabedoria.
    Quanto a este texto, é realmente impressionante o upgrade se compararmos com o texto de 2007, no qual, se não estou enganada fala pela primeira vez no BDSM como parque de diversões. Ainda estou engatinhando pelo parque,e olhando maravilhada para a montanha russa, mas penso que chegar a um ponto em que podemos compreender os vários caminhos que a vida nos apresenta e poder escolher com clareza, respeito e cuidado é algo fabuloso que faz com que nada seja mais o mesmo e que as coisas realmente importantes tenham o valor adequado na nossa vida.

    Mais uma vez obrigada por compartilhar seus pensamentos.
    Respeitosamente.

    ResponderExcluir
  13. Sir GLADIUS MAXIMUS, passeando por blogs me deapro com esse interesante texto seu, fiquei tão compenetrada na leitura que não vi o tempo passar, e chegou a hora de sair do trabalho..o que fazer? colei seu link em meus favoritos pra terminar e assim poder apreciar sábias palavras de um Sir que conhece o que diz.

    Beijinhos.stacey.se puder visita meu cantinho.

    ResponderExcluir
  14. O meu segundo passo rumo nesse mundo está sendo dado em seu blog. Devo me considerar um afortunado por encontrar "nesse mundo" seres dotados de inteligência e visão tão distintas. Inteligência e visão que sempre tentei identificar em outros seres do mundo baunilha e,raramente encontrei. Estou surpreso. Teria encontrado nesse mundo a identidade que busquei em outro? Vou fazer meu caminho, descobrir e tomar posse de meu destino.
    Grato Master Gladius, por um pouco de esperança.

    ResponderExcluir
  15. Adorei tudo que li até agora. A partir de hoje, estarei t seguindo e desfrutando de seus textos tão bem desenvolvidos e escritos.

    ResponderExcluir
  16. Texto perfeito que estou tendo a honra de ler agora.
    A evolução realmente amplia nossos horizontes para que sejamos capazes de vislumbrar o quão infinito são os caminhos e como caminhar neles sem atropelos ou dúvidas.
    O BDSM tem me levado a uma viagem muito além do que poderia vislumbrar a primeira instância, leva-me a uma busca por essa evolução de forma ordenada e consciente.

    Saudações,
    § cristal §

    ResponderExcluir
  17. Um texto interessante, mas um tanto presunçoso, ao tentar colocar o BDSM como superior a outras formas de amor, principalmente o Mundo Baunilha!
    Existem preconceitos e eles estão nos dois lados não é?
    Superior é o amor, o resto são forma de satisfação dos prazeres, universos paralelos segundo a opção de cada um.

    ResponderExcluir
  18. Anônimo28.8.12

    Sempre aprendendo...
    Sempre me deliciando e através da leitura de seus textos...viajando pra o meu infinito particular...onde eu sou o que sou...e tenho orgulho de tudo!!!
    Façamos então muitos passeios ao parque e que esse passeios sejam sempre para a felicidade e deleite de de todos que se aventuram desde os brinquedos mais tranquilos como um carrossel...até os que tem coragem de enfrentar as bruscas subidas e descidas de uma grande montanha russa...
    Um belo dia!!!!
    Grata sempre!!
    Telma

    ResponderExcluir
  19. Anônimo28.8.12

    E a propósito...estava lendo suas frases e encontrei o seguinte " Estou de saco cheio de ouvir que Dominadores são pedantes, mal educados, grosseiros e ignorantes. Nenhum dos cinco que conheço é assim. GM"...Achei muito espirituosa e divertida sua colocação...mais confesso que fiquei preocupada...rs...São tão poucos assim?

    telma

    ResponderExcluir
  20. Anônimo22.10.12

    Tudo que posso dizer é UAU!!!

    ResponderExcluir
  21. Gostei demais de todos os seus textos, principalmente desse, sou uma "hotwife slave" se é que teria algum nome para isso.

    Tenho uma natureza submissa e estou no meio liberal há cinco anos com meu marido. Já passamos por muitos "universos" até chegarmos aqui e entendermos o que realmente gostamos e somos. Ele é naturalmente dominante, mas tem um lado que se identifica em ser Cuckold e esse é seu maior desejo, que eu seja uma HOTWIFE independente e determinada, mas nunca consegui ter qualquer atitude que me levasse a isso. Sempre espero que ele tome a iniciativa. Eu gosto demais de estar com outros e esse universo Cuckolding é mágico para mim, mas sonho com o dia em que ele me colocará uma coleira de verdade!!!!

    Decidimos viver nos dois universos, ter um estilo nosso. Daí o termo Hotwife/Slave...

    E a cada dia me descubro mais submissa e entregue a esse universo BDSM. Por isso seu blog me chamou tanta atenção e de certa forma me emocionou muito.

    Gostei tanto do seu cantinho que não resisti e levei ele comigo para o programa dessa semana e também vou levar esses seus textos sensacionais lá para casa!!!!

    Um beijão quente e molhado

    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo14.12.15

      Adorei o termo hotwife. Essa sou eu. Só falta meu marido compreender que sou uma mulher de tendências submissas para que eu peça para ele se tornar um dom. Não tenho coragem de entrar num relacionamento aberto, apesar de eu entender que carne e coração são coisas distintas... ele jamais aceitaria abrir o casamento.

      Excluir
    2. Carol

      Olá... desculpe a demora na resposta... andei afastado... mas estou de volta.

      Relato interessante esse seu. Hotwife/Slave é uma combinação de termos que deve resultar numa química explosiva. A mente aberta à novos universos de relações afetivas e possibilidades, deixa tudo mais fácil e deve manter a rotina desse casal muito intensa.

      Agora fique tranquila... posse e submissão não tem anda a ver com uma coleira e sim com sentimento e comportamento. Se você se sente possuída, todo o resto é menso importante.

      Fico feliz e envaidecido pelo elogio ao "meu cantinho" e eu gostaria de ver esse programa onde fui mencionado.

      Excluir
  22. Troca divulgação de blog?
    A uns meses ando lendo seu blog assim como outros a respeito. Estou escrevendo um livro para quem deseja ser iniciado dentro do bdsm. Se assim me for permitido passo o link. E meus parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho uma lista no final da coluna da direita específica para isso. É recente e vou colocar ali, preferencialmente material que tenha algum alinhamento com o Universo BDSM e proximidades. Também só com Blogs e sites que sejam de bom gosto e que primem pela qualidade de conteúdo, afinal de contas, o nome do meu estará neles.

      Mande o que quer divulgar e também como o meu vai aparecer pelo Email... vou avaliar com carinho e responder diretamente.

      diariodeumdominador@gmail.com

      Feliz por ter gostado e se precisar de alguma informação, pode usar também o Email do Blog.

      Excluir

Blog sobre Dominação, submissão, comportamento, relacionamentos, sexualidade e estilo de vida BDSM.

*** Dominador puro e natural, habitante do Universo BDSM 24/7, cara de mau, mão pesada, bem-humorado para poucos e como John Wayne... Feio, forte e formal.

*** Quando falo de Dominadores, submissas e relações... vale para todos os gêneros e combinações. O que importa em uma relação BDSM é a posição hierárquica da parte (dominante ou submissa).

F.A.Q.

Diário de um Dominador: comece por aqui!

Criei este blog com o objetivo de compartilhar a minha jornada como Dominador e ajudar outras pessoas que estão em busca de autoco...

YOUTUBE