' Lealdade X Fidelidade - DIÁRIO DE UM DOMINADOR - GLADIUS | BDSM, Fetiches e Relacionamentos

Lealdade X Fidelidade



Publicado em 02/12/2008 - 
NOTA DO AUTOR >>> Esta questão da fidelidade é apenas mais uma entre tantas que representam a colisão entre os valores do Mundo baunilha (relações convencionais) com o Universo BDSM (relações baseadas em hierarquia). Assim como no caso da “poligamia”, muitos são os pontos de contato onde os valores têm que mudar pelo simples fato e que a realidade como um todo entre estas duas formas de se relacionar afetivamente é completamente diferente.
Bom lembrar que o BDSM pode ser vivido em vários níveis, indo desde a sua utilização para uma relação sexual mais intensa e prazerosa até como forma de se relacionar afetivamente, que é o caso abordado neste texto.

Lealdade X Fidelidade

Comentário de leitor: Achando um tempinho para dar os meus pitacos aqui nessa comunidade rs. Um dia conversamos sobre FIDELIDADE X LEALDADE. Achei sua posição maravilhosa e muito acrescentou para mim, por isso peço que discorra sobre as diferenças desses dois assuntos para as outras pessoas da comunidade e a aplicação de cada um no BDSM. Beijinhos      =) Sarinha

Antes de dissertar sobre as diferenças a serem abordadas nos termos, explicarei de forma sucinta o que ocorre entre esses dois termos. 

Para começar, fidelidade é um sinônimo de lealdade, mas no BDSM seus significados irão diferir de forma bem sutil.

Pegando só o que é relevante no Dicionário Houaiss:

Fidelidade
Acepções: substantivo, feminino
I. Características: atributo do que é fiel, do que demonstra zelo, respeito quase venerável por alguém ou algo;
Ex. observância da fé jurada ou devida;
Ex. fé religiosa.
II. Constância nos compromissos assumidos com outrem
Ex.: compromisso que pressupõe dedicação amorosa à pessoa com quem se estabeleceu um vínculo afetivo de alguma natureza conjugal
III. Derivação: por metonímia (da acepção a lealdade). Característica de um sentimento que não esmorece com o decorrer do tempo
IV. Constância de hábitos, de atitudes
Ex.: fidelidade da clientela a um estabelecimento comercial
V. Antônimos: infidelidade, inconstância; ver também sinonímia de mentira

Lealdade
Acepções: substantivo feminino
I. Respeito aos princípios e regras que norteiam a honra e a probidade;
II. Fidelidade aos compromissos assumidos e;
III. Caráter do que é inspirado por este respeito ou “fidelidade”
Ex.: a lealdade de uma ação
IV. Antônimos
deslealdade, dobrez, falsidade, hipocrisia; ver também sinonímia de ardil.

Como descrito acima, podemos perceber que são termos que diferem muito pouco entre si e de tão parecidos, são considerados sinônimos, mas acontece que à fidelidade tem um uso específico na questão conjugal e a lealdade não.

E é exatamente aí o X da questão. No BDSM não temos relações conjugais como modelo básico de relacionamentos. 

Uma das coisas que faz o Universo BDSM ser diferente do Mundo Baunilha é exatamente na maneira que as pessoas interagem. 

Enquanto no mundo baunilha a relação fundamental é o “casamento” entre duas pessoas, onde elas se apoiam num acordo de fidelidade e nenhuma das partes pode ter relacionamentos externos, no mundo BDSM esse “casamento” ocorre de forma diferente.

No BDSM as relações não são formadas assim... a hierarquia é o fundamento e sempre alguém vai dominar, controlar ou possuir alguém. Sejam de lá quantas partes forem e com qualquer combinação de gênero ou alinhamento sexual, na interação a relação será entre Dominantes e submissos. Proprietários e objetos. Qualquer coisa diferente disso não é BDSM pelo simples fato de já ter nome e existir em outro universo.

Fidelidade não cabe nessas circunstâncias, pois é uma coisa no mínimo estranha um dominante se manter neste estado em relação a quem lhes serve, ou seja, se já tenho um carro e uma moto, posso ter um barco e até passear no carro de um amigo se não tiver opção disponível no momento.

E a diferença está aí, onde estando casado com a pessoa que se submete a mim, meu compromisso de fidelidade é o de não ter relações baunilha (amantes, namoradas, casos etc.) fora do casamento, ou seja, as coisas que ocorrem em um universo não devem afetar o outro... É nisso que acredito e é assim que procedo. 

Agora, quando no Universo BDSM, o dominante terá quantas posses quiser (e obviamente também puder, merecer e der conta), independentemente do seu cônjuge participar ou não desse universo. 

NOTA DO AUTOR
O pensamento que tinha era bem mais radical do que hoje e não cabia na minha cabeça um verdadeiro dominante não começar dominando a pessoa que escolheu como parceira de vida.
Hoje acredito que para casos específicos onde escolhas ruins foram feitas no começo da relação do casal, quando um destes se descobre BDSM, não há como trazer para esse jogo um parceiro sem “jeito pra coisa”.
Então diferente de antes, hoje vejo como possível o parceiro que é dominante ter a sua vida BDSM fora da sua relação baunilha.
O que acho imprescindível que essa atividade “extraconjugal” não seja efetivada debaixo de uma camuflagem de mentiras.
Em minha opinião, um verdadeiro Dominante pode até não dominar o seu parceiro, mas jamais deve mentir para a pessoa que escolheu para dividir a sua vida, estendendo o conceito de lealdade para toda a vida.

No meu caso específico, jamais teria uma relação baunilha com alguém fora do BDSM, ou seja, meu domínio é completo e começa em casa.

Lá sou fidedigno. A pessoa com quem escolhi dividir a minha vida, em todos os seus aspectos, é única. Esta mesma pessoa no BDSM vai ser a minha primeira posse.

NOTA DO AUTOR
Aqui cabe informar que nessa época eu era um adepto da submissa alfa, ou seja, uma submissa de peso diferente das outras.
Depois de passar por uma fase de teste de igualdade entre parceiras, percebi que algumas coisas não podem sair da conta.
Uma delas é que não existem pessoas iguais, logo sempre as necessidades vão diferir entre elas. Outra, que não é menos importante, é o fato de que automaticamente se forma um tipo de hierarquia horizontal entre parceiras que tecnicamente deveriam ter o mesmo nível, isso ocorrendo naturalmente tanto pela autoridade construída com a antiguidade, quanto pela diferença de conhecimento.
Então, normalmente a mais antiga que é a que tem a relação mais aprofundada, acaba tendo uma posição, como direi, com alguns privilégios que as novatas deverão conquistar com o tempo e ideias correspondendo aos fatos.
Existem modelos onde a escolhida pelo dominante par ser a principal não é a mais antiga, mas isso é caso de exceção e faz partes das prerrogativas do dominante na condução do eu reino.
Apesar de não mais fazer uso do termos submissa alfa, pois entendo que isso dá de forma não oficial algum poder de uma das submissas sobre as outras, ainda penso, só que hoje de forma um pouco mais sofisticada, que o equilíbrio real não é algo simples de ser atingido, que a antiguidade da relação deva ser privilegiada e que a hierarquia horizontal que se forma seja natural.

Então Lealdade é a palavra. 

Lealdade em relação às regras e limites estabelecidos. 

Lealdade em relação aos compromissos assumidos sendo o principal dele o de cuidar da parceria com a pessoa submissa de forma transparente e responsável.

Assim como BDSM é quase um antônimo de Baunilha, os antônimos de lealdade são deslealdade, falsidade, hipocrisia, coisas sem as quais as a maioria das relações baunilha colapsam.

Enfim, fidelidade no Mundo baunilha é a lealdade no Universo BDSM.


GLADIUS MAXIMUS



Lealdade X Fidelidade Lealdade X Fidelidade Reviewed by Gladius on maio 05, 2021 Rating: 5

8 comentários:

  1. Anônimo8.1.09

    gostei do post, Sr.GM. Muito interessante.

    ResponderExcluir
  2. agradecendo teu carinho e amizade junto a tua escrava. Obrigado por tudo!

    ResponderExcluir
  3. Adorei este post.

    Tem presente para o Senhor no meu blog. Dê uma passadinha por lá.

    Flores perfumadas
    {myrah} de ALDO

    ResponderExcluir
  4. Anônimo19.4.16

    Entendi. OK. Mas enquanto você não está com o seu objeto, você Repete a submissa na prática BDSM em outras ocasiões?? Pois se repetir a submissa "momentânea" (foi assim que entendi), parece-me que já está de certa forma com algum "apego" (não encontrei outra palavra). Não sou do meio e sou nova no Blog e estou tendo muiiita curiosidade no tema. Muita. Rs. Aliás, para que aja um interesse entre Dominador e Submissa, há uma inversão de papo no ato de se conhecer? Tipo, já começar a falar de suas preferências sexuais, pois senão, como diz a música, adeus, bye, bye? Isso?

    Sei que posso estar falando abobrinha. Mas estou em busca do conhecimento e, ainda, não achei outro local para tirar dúvidas. E não mexi em tudo aqui no blog. Primeiro acesso foi hoje. :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário ficou um pouco confuso para mim, mas o que posso te falar aqui é que as relações BDSM ocorrem em fluxo. Ficamos com pessoas opostas complementares e que queremos. O como isso ocorre vaira de pessoa para pessoa, de grupo para grupo. Uma das vantagens disso é que podemos já começar falando de preferências e limites. Havendo alinhamento a magia acontece, se não, adeus, bye, bye. :)

      Continue estudando... é o que eu não paro de fazer.

      Excluir
  5. Anônimo10.6.20

    É errado eu desejar que meu dono não tenha outras "propriedades"/ "relações"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não é errado desejar o que quiser desejar. Mas como quem define como funciona a dinâmica de um reino é o seu soberano, só te resta ficar limitada a desejar de forma escondida ou sair desse reino.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.