BDSM: o que leva uma mulher a querer ser uma submissa?



Uma pergunta interessante, mas talvez fosse melhor respondida por quem já fez o caminho... O máximo que posso lhe dar é a visão de alguém que está de fora do universo da submissão, mas que observa e se alimenta dele.

A primeira coisa que você precisa ter em mente é que a submissão não é algo específico do sexo feminino, assim sendo, poderíamos formular a seguinte questão: o que faz uma pessoa se tornar submissa?

Poderíamos... mas depois de todos esses anos desbravando o universo BDSM, minhas observações me levaram a concluir que parece existir uma certa diferença entre a submissão masculina e feminina. Mesmo assim, só posso falar como um mero observador, já que não vivo esta realidade. Nem a de um homem submisso, muito menos a de uma mulher submissa. 

A partir dessas observações, acredito que mulheres heterossexuais e heteroflexíveis têm uma tendência natural à submissão. Se prestarmos atenção, vamos perceber que a maioria absoluta tende a buscar pelo homem mais forte e com a “pegada” mais potente. 

Talvez a explicação dessa tendência feminina esteja em nosso comportamento ancestral. Uma vez que, em sua origem e até um passado relativamente recente dentro de sua cadeia evolutiva, os seres humanos se agrupavam em clãs. Ou seja, em geral os grupos familiares eram comandados por um macho alfa. E eventualmente, uma fêmea com características mais dominantes era escolhida por esse macho para ser a sua fêmea alfa. Uma que liderava o grupo em conjunto, mas que também se submetia a ele. 

Assim sendo, tal submissão teria nascido do próprio papel da fêmea nessas pequenas comunidades. Enquanto os machos saiam para a caça e atuavam na proteção, as fêmeas cuidavam da infra-estrutura, das crias e da unidade do grupo.

Quase a totalidade das mulheres com as quais interagi ou conversei tinham uma necessidade intrínseca de proteção. De qualquer forma, acredito que uma mulher só irá se submeter (de verdade...) à um soberano que julgue ser o merecedor de sua submissão.

Contudo, tais características muitas vezes ficam mascaradas no mundo baunilha. Sendo um mundo de aparências, cada pessoa usa a armadura que melhor lhe convém. Para quem tiver interesse, apresentei no texto Transição a minha tese sobre a formação do mundo baunilha e da chamada “Compressão Social”, uma conseqüência do advento da civilização e das mudanças ocorridas em nosso estilo de vida ao longo do tempo. 

Tais mudanças teriam tornado inviáveis determinados comportamentos humanos. Ou melhor, vários deles continuaram a existir só que uma forma “velada”. Nesse sentido, o que ocorreu foi uma repressão dos nossos instintos e comportamentos básicos, a fim de nos adaptarmos à uma nova realidade social. 

Mas a competitividade, a beligerância e a poligamia continuavam ali, embora muitas vezes não fossem visíveis. E o Universo BDSM nasceu justamente da insatisfação de alguns em relação à determinados comportamentos impostos pela sociedade. Pessoas que iam além e que não mais se satisfaziam com que o mundo baunilha podia oferecer, ainda que tivessem passado pelo casamento aberto, pelo swing ou mesmo por fetiches diversos, buscavam por um novo estilo de vida. 

Fiz essa viagem pelo pelo Universo BDSM, porque a resposta para a sua dúvida deve passar por esses dois locais... baunilha e BDSM.

No entanto, tanto a submissão quanto a Dominação não são uma questão de querer, mas, sim de ser... ou não ser. (eis a questão). Ambas, são características e não uma opção que escolhemos. Podemos facilmente perceber instintivamente se uma pessoa é, dominante ou submissa. E elas se revelam, líderes ou liderados.

No Universo BDSM é o lugar onde você pode escolher viver completamente a sua natureza Dominante ou submissa (em muitos casos as duas naturezas de forma alternada), podendo também vivê-las de forma pública dentro da comunidade BDSM.

Enfim, o que pode levar uma mulher a querer ser uma submissa é que, descobrindo em si esta natureza e também a existência de um lugar com pessoas onde possa interagir, pode tomar a decisão de viver essa natureza submissa de forma completa, profunda e intensa.

GLADIUS MAXIMUS



► Submissão






49 comentários:

  1. Anônimo19.7.11

    Bem, primeiro vc deveria perguntar o que leva uma pessoa a ser submissa. Assim como qualquer característica pessoal, a submissão é uma. Você pode ser alegre, impulsivo, intelegente e submisso. Gostar de ter alguém sempre te guiando e te ajudando a vencer coisas simples ou grandes feitos. Ou mesmo gostar de ser reprimido.
    Agora, submissa no BDSM você precisa ser submissa e ter um “kinky side”, uma opção por coisas pouco convencionais, sejam elas sexuais ou não.
    Mas nada disso impede que uma pessoa que não seja naturalmente submissa possa ser submissa no BDSM. Basta ela querer. Realmente querer. Querer e perseverar. E ser feliz com isso. Não vale desistir na primeira meia hora com um dominador sério. Obviamente, os dominadores percebem quanto a pessoa resiste a submissão. E com jeito e experiência, se for do perfil dele, o dominador consegue levar a relação. E também ser feliz com uma submissa com “um menor grau de submissão”.
    Também não é impossível encontrar uma pessoa dominadora fora do universo BDSM.
    Nunca esqueça que ”pra todo pé torto tem um chinelo velho”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8.11.15

      concordo com vc , eu estou começando nesse mundo BDSM sou submissa, mas nao sou submissa no meu dia a dia, sou eu que sempre tenho a ultima palavra, mas na cama em quatro paredes descobri que gosto de ser mandada,castigada,sinto prazer com issi.

      Excluir
  2. gostei de ler esse texto,ms ainda conntinuo a enterder pouco no assunto, no sei se sou submissa ou dominadora, acho que um pouco dos dois!

    bjus

    ResponderExcluir
  3. Anônimo2.8.11

    Adorei a visão do SENHOR sobre o assunto, realmente é muito interessante a associação da submissão com a ancestralidade da humanidade.
    Parabéns pela belíssima escrita.



    naomy

    ResponderExcluir
  4. submissa356.8.11

    entao ...so mesmo um dominador experiente poderia faclmente dizer se realmente sou uma submissa ou se penso que sou uma submissa.
    Um mestre ao me dominar consegue perceber se estou em conflito e se me submeto sem restriçoes?

    ResponderExcluir
  5. Já não escreve há muito...
    Sinto saudades.

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito, e divulguei no meu perfil de facebook. Estou pesquisando sobre mulheres praticantes de BDSM para minha monografia e trabalhos subsequentes.

    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Anônimo12.10.11

    Saudadesssss...Sir

    ResponderExcluir
  8. Anônimo18.10.11

    PARABENS PELO BELISSIMO BLOG!!!
    ACHEI BEM BACANA.
    TUDO DE MUITO BOM GOSTO POR AQUI, ADOREI!!!!
    PARABENS, BJS DE WENDY

    www.wendybdsm.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Anônimo23.10.11

    Sir...Sempre faço uma visitinha no seu cantinho encontro temas legais para ler...Bjus

    ResponderExcluir
  10. Saudade...
    Outra vez.
    =/

    ResponderExcluir
  11. submissa35

    Uma pessoa experiente, independente de ser Dominante ou não, vai poder te ajudar nesse processo de autoconhecimento. O que eu trato no post Transição é exatamente isso de você saber o que você é de fato.

    Você fala de um bom Mestre... acerta sem saber que está acertando, pois tenho certeza que se refere a um bom Dominador que interagindo com você te ajudaria no processo.

    O acerto está no “Mestre”, quando se refere a um professor. Alguém interessado apenas em seu crescimento como ser humano te pegaria pela mão, te protegeria e te mostraria alguns caminhos. O erro está justamente em achar que um bons Dominadores existem numa quantidade tal que existirá um para guiar você. Dominadores Seniores verdadeiros e experientes são poucos... não mais do que uns 10 pelo Brasil afora.

    O que você vai ver te cercando aos montes são os pseudo-dominadores (que interpretam o papel de algo que gostariam de ser) e os juniores (iniciantes mais preocupados com a pegada e a cama, mas sem o menor preparo ou experiência para exercer poder).

    Tanto com um quanto o outro vai querer muito que você se submeta sem restrições, e a não ser que você tenha um prazer bizarro em ser usada desta maneira, eu procuraria a informação que precisa uma ou mais pessoas experientes, preferencialmente entre as que não queriam te “possuir”. Depois de se encontrar você vai ter tempo de sobra para tudo isso.

    GLADIUS MAXIMUS

    ResponderExcluir
  12. Ruiva

    Escrever para este Blog é uma coisa muito séria. Não é um Blog de caça nem de auto-promoção. Ele é o grande espelho da minha alma.

    O meu silêncio aqui, tanto quanto o que eu escrevo, vai refletir não só o que penso como também cada um dos meus momentos.

    Fico feliz e envaidecido por ter pessoas como você me seguindo e sentindo falta.

    Para você e a todos os que sentem falta do que eu escrevo, peço que tenham paciência... não vou abandonar o Blog... mas antes de Dominador sou um ser humano, sujeito a erros e acertos... e também a períodos de silêncio e introspecção para reciclagem mental.

    GLADIUS MAXIMUS

    ResponderExcluir
  13. O titulo chamou-me a atençao por isso decidi ler e realmente concordo com o que escreveu.

    virei visitar mais vezes este blog.
    ^^
    beijos.

    ResponderExcluir
  14. Anônimo9.8.12

    Interessante... Sigo lendo e conhecendo.

    Márcia B.

    ResponderExcluir
  15. Senhor,
    Estou em processo de aprendizado. No momento estou tentando entender todo esse universo que pra mim é tão novo e ao mesmo tempo intrigante. Sempre pensei que tinha algo errado em mim e por uma surpresa da vida, acabei tropeçando no BDSM, esse universo "paralelo" tão diverso da minha realidade, mas que tem preenchido uma parte em mim que eu já tinha acreditado ser impossível. O mais dificil, pelo menos é o que eu acho neste momento, é vencer os meus próprios limites e pré-conceitos enraizados por uma educação feminista que exige da mulher estar no controle e nunca aceitar ser controlada. Mas percebi que preciso agir, a minha omissão comigo mesmo e meus sentimentos apenas tem me levado ao fracasso emocional. Coragem para enfrentar o desconhecido não é algo que vc consegue de uma hora pra outra. Mas textos como esse que acabei de ler, me mostram que estou no caminho certo e estou me conhecendo. Sou Submissa e essa é minha natureza. E o fato de negar isso por tanto tempo me trouxe apenas infelicidade. Ainda não conheci um mestre/professor para me ensinar e introduzir nessa nova vida. Ainda não procurei e tenho mto medo de cair em mãos erradas. É mto comum pessoas mal intencionadas utilizarem-se da filosofia BDSM para, apenas e tão somente, alcançar seus próprios anseios pessoais egoístas e insensatos. Mas aprendizado é aprendizado. O primeiro passo foi dado. Estou estudando e me conhecendo. Obrigada. Continue escrevendo, expondo sua opinião sincera e madura. O Senhor tem um grande papel no aprendizado de mtas meninas/mulheres perdidas que precisam apenas de um Mestre sensato e consciente para mostrar-lhes o caminho a ser trilhado. Não deixarei mais o Senhor....rsrs....Estarei sempre aqui acompanhando. Obrigada Senhor.

    ResponderExcluir
  16. Anônimo1.3.13

    Eu me fiz essa pergunta, mas sei q a resposta ainda esta dentro de mim... senhor

    ResponderExcluir
  17. Ola!!! gostei Muito do texto ja li alguns outros aqui e vou ler mais preciso de algumas informações. Tenho em min um sentimento que segundo eu e de Dominador Porem tenho Pouco conhecimento do assunto da filosofia empregada conceitos etc tenho apenas meu Ponto de vista oque acho que seja e aonde me encaixo Porem gostaria de conversar não somente com um dominador experiente mais tanbem com uma submisa independentemente de sexo ou sexualidade mais tenho Preferencia em ter Informações e conhecimentos de um DOM Homen Hetero e Uma Submisa Mulher Hetero ou BI

    ResponderExcluir
  18. A minha submissão é um acto de amor...amor pelo meu esposo, companheiro, amigo, cúmplice e amante. Sei que é uma situação nova para mim, sei que existem ainda muitos conceitos e preconceitos a ultrapassar...mas sei também que todas as dúvidas que possa ter as posso partilhar com o meu marido. A minha dependência é cada vez maior...dói a sua ausência em mim...sinto-me vazia...é uma alegria e uma emoção tão grande aquando do seu regresso a casa. Sinto-me amada e preenchida 24h por dia...sinto-me orgulhosa da pessoa que sou neste momento...sinto orgulho no marido que tanto amo...quero satisfazer todos os seus desejos e vontades... necessito muito de o sentir feliz...o seu bem estar e felicidade são minhas prioridades...se ele estiver bem, eu estou bem também. A sua dor é a minha dor...não existem palavras que consigam conter todos os sentimentos bons que o meu querido esposo, Dono e Senhor provoca em mim...sinto-me importante...única. Cada vez me sinto mais sua, de corpo, alma, coração e vida.

    ResponderExcluir
  19. Gostei do texto Sr. e também da sua posição para dar uma explicação á quem perguntou. Saudações.

    ResponderExcluir
  20. Amei o texto...e com isso uma duvida...uma mulher dominante no mundo profissional pode ser submissa na pessoal? Ou isso pode gerar conflito?
    Amo esse Blog e a cada dia o admiro mais...=)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum conflito... muitos executivos e executivas encontram no BDSM a unica maneira de ter um escape para este problema.

      Excluir
  21. Anônimo20.12.13

    sinceramente gosto de aprender cada dia mais sobre o bdsm,mais a pratica desta relacao em si define exatamente o ser submisso ou dominador..
    na vida 'normal' em vivemos somos muita das vezes submissos as nossas 'obrigacoes' poucos se dao este luxo de saber ate que ponto vai tal submissao..
    o que me levou ser submissa foi querer alguem me guiando ,,,alguem em que eu posa naquele momento confiar plenamente.

    ResponderExcluir
  22. Anônimo27.4.14

    Acompanho seus escritos a um bom tempo e percebo que tem entendimento sobre o assunto. Atualmente estou pesquisando sobre o assunto e se poder me ajudar respondendo algumas perguntas, por favor entre em contato. Obrigada pela atenção... Senhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para falar comigo diretamente existem várias formas, entre elas, o Messenger do meu Facebook

      https://www.facebook.com/mastergladiusmaximus

      do meu perfil no www.fetlife.com

      https://fetlife.com/users/11298

      ou pelo Email de contato do Blog

      diariodeumdominador@gmail.com

      Abraço

      Excluir
  23. Anônimo1.11.14

    Uma mulher que tem problema cardíaco, mas que toma seu devidos cuidados e toma remédio e tem acompanhamento medico pode ser uma submissa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sobre isso escrevi aqui:

      http://www.gladiusbdsm.com/2012/09/deficientes-fisicos-no-bdsm.html

      Sobre o seu caso específico, a pergunta traz pouca informação, mas pode ser respondida.

      Partindo do princípio de que BDSM em sua essência é formado de hierarquia e que nele se interagem pessoas que se completam Dominando com outras que se completam se submetendo. Todo o resto são técnicas que enfatizam a diferença de poderes, perfumaria ou enchimento de linguiça.

      Até onde eu sei o ato de servir e se submeter não aumenta o risco cardíaco de quem quer que seja, a não ser que um Dominante sem noção fizesse seu servo empurrar o carro com a bateria arreada par dar partida ou qualquer outra atividade de alto impacto.

      Uma submissa deficiente visual veio com uma pergunta similar e respondi a ela de forma parecida... a dificuldade maior (e a dela muito maior que a sua), vai ser sempre a de escolher um parceiro que se complete com o que tem a oferecer e ponto.

      Numa relação BDSM sadia, nunca vai ser obrigada a fazer ou a vivenciar algo que realmente não queira. No seu caso específico um Dominador Médico Cardiologista seria o ideal. :)

      GLADIUS

      Excluir
  24. Anônimo19.5.15

    Como se tornou Dominador Sénior ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me lembro de ter dito que eu era um Dominador Sênior. Sou um velho Dominador... que já viu e viveu muita coisa... mas se for me auto intitular, a grande verdade que sou apenas uma ser humano com alma dominante e apenas um iniciante... um eterno iniciante, pois quanto mais vivo e aprendo, mais percebo que não sei nada.

      Se você ler em algum lugar que me auto intitulei de Dominador Sênior, por favor me indique que é algo que deve ser corrigido de imediato.

      Excluir
  25. Anônimo19.5.15

    Qual o processo para me transformar numa Submissa Sénior ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando citei a palavra sênior, foi no sentido lato da palavra que numa simples busca no Google aponta o significado para um adjetivo de dois gêneros e substantivo masculino que é aquele que é o mais velho relativamente a outro ou o que se instituiu ou se estabeleceu primeiro.

      Então, seguindo essa lógica, o processo para se transformar em uma submissa sênior é apenas vida. Viva isso de verdade por muito tempo e vai ser vista e respeitada como sênior.

      Excluir
  26. Anônimo16.6.15

    Olá, sou homem submisso. Você também se relaciona com homens? Sabe onde posso me informar sobre o tema voltado para gays? Blogs como o seu, sites, foruns, etc.

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não me relaciono com homens. Só me completo submetendo mulheres. Mas isso de fato, é algo pouco importante no que tange a uma relação BDSM.

      Neste Universo, a polarização se forma entre quem se completa Dominando à quem se completa sendo dominado, então já que para ocupar estes postos basta apenas a pessoa gostar de uma coisa, da outra ou das duas, sendo o gênero algo secundário.

      Posturas e conteúdo sobre Dominação e submissão valem para qualquer um, então pode pesquisar que todo o material que encontrar vai servir para o seu caso, cabendo a você separar o "joio do trigo".

      Pode existir material específico voltado para os gays, mas creio que seja pouco relevante, pois as questões de Segurança, Sanidade e Consensualidade tem que valer para todos.

      Acho que a sua busca específica dessa faixa de praticantes deve se limitar em encontrar outras pessoas que compartilhem gostos e tendências com você.

      GLADIUS

      Excluir
  27. Olá Sr gostei mto do seu texto, venho me fazendo a mesma pergunta a algum tempo! Sempre fui totalmente dominante na minha vida e após ler alguns livros da Anne Rice como o despertar da bela e peça - me o q quiser acabei descobrindo q quero sentir e ter mias do q venho tendo! Gostaria de lhe perguntar se aqui no Brasil tem esses clubs como os do livro ou onde se pode encontrar um professor/mestre/dominador q mereça minha confiança e entrega? Dês de já obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem em São Paulo atualmente dois bares temáticos e algumas festas que ocorrem com uma certa periodicidade. Informações sobre elas são facilmente encontradas na internet.

      Já sobre essa recomendação de um "professor/mestre/dominador", só posso falar por mim, pois não conheço nenhum outro além de mim que se predisponha a levar isso de dar aulas seriamente. Sobre os meus serviços de consultoria e cursos você acha neste link:

      http://www.gladiusbdsm.com/p/consultoria_16.html

      Qualquer dúvida pode ser sanada prlo Email do Blog:


      diariodeumdominador@gmail.com


      No mais... estou por perto

      Excluir
  28. Anônimo10.2.16

    Gladius, queria expor um pensamento.... Sim muitas vezes nós temos uma necessidade intrinseca de nos sentirmos protegidas e amparadas, mas eu por exemplo não aceito as punições....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Universo BDSM é formado de hierarquia e verdade. Por aqui basicamente vão interagir as pessoas que se completam dominando pessoas que se completam sendo dominadas.

      As punições, imobilizações e outas tantas técnicas, procedimentos posturas e liturgias, servem apenas para aumentar a diferença de poderes que alimenta e faz funcionar este tipo de relação.

      É universo grande e cheio de possibilidades e ninguém é obrigado a viver tudo o que o este oferece. Seria como ser obrigado a comer todos os tipo de comida disponível ou no caso de uma relação sexual comum, ser obrigado a algo como sexo anal sem gostar disso.

      Existem pessoas que gostam de submissão e da imobilização mas não gostam do spanking e velas. Existem pessoas que amam apanhar mas não podem ter marcas no corpo por limitações profissionais (ou não).

      Você pode muito bem se situar como submissa tendo como limite essa questão da punição. Basta que ache um parceiro que se satisfaça com o que você tem a oferecer.

      Excluir
  29. Anonima15.5.16

    Sou submissa e o q me levou a ser submissa e ter uma pessoa q cuida e protege me sinto cuidada e ele me guia com muito carinho e força e uma libertação da alma e felicidade plena a submissão

    ResponderExcluir
  30. Anônimo25.5.16

    Senhor,o que lhe aguçou a curiosidade em relação ao BDSM?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se der uma olhada nesta parte do Blog...

      http://www.gladiusbdsm.com/p/pessoais.html

      vai ter respondida esta questão em detalhes.

      Mas em resumo, meio que nasci Dominador, cresci Dominador e na minha adolescência, saber que as "coisas" eu gostava tinha um nome (SM na época) e que existia todo um grupo de pessoas que também gostavam das mesmas coisas, foi libertador.

      O BDSM como sigla só conheci em meados dos anos 90 e o meio BDSM de São Paulo só em 2002... o resto é história.

      Excluir
  31. Uma mulher pode ser uma dona e ter sua submissão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode. No BDSM temos apenas três tipos de pessoas. Dominantes, submissos e Switchers, Ou seja, pessoas que se completam dominando pessoas que se completam sendo Dominadas. Os Swithers são aqueles que se completam em ambas as posições com parceiros diferentes e a sua condição sempre dependendo do parceiro.

      Logo, respondendo a sua pergunta, uma pessoa pode, dentro do BDSM, viver uma relação de submissão com uma pessoa e ter relações de Domínio com outras.

      O que recomendo é que o switcher nunca se submeta na frente das suas posses, pois isso fere o respeito hierárquico.

      Excluir
  32. Fiquei me perguntando como encontrar um dominador "de vdd"...
    Sou nova nesse mundo BDSM e nao estou encontrando um Senhor em minha cidade :/ encontrei alguns senhores dispostos a me ensinar "a distancia".. mas tenho medo de "cair em maos erradas"...
    como saberei se nao eh um "pseudo-dominador"?
    O Senhor falou em uma das respostas sobre prazer bizarro em servir sem restricoes.. como assim? Qual a linha entre ser uma submissa e acabar nessa situacao bizarra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se encontrar pessoas de verdade já é uma coisa complicada, imagine só a dificuldade de se encontrar um parceiro para o qual vai se entregar o poder sobre si e por consequência a sua integridade física e psicológica.

      Esse seu medo de cair em mão erradas é muito saudável e deve usar esse medo a seu favor... acredite, é o seu maior aliado.

      Para determinar se é o indivíduo é um Dominador de verdade ou não, existem alguns mecanismos de defesa eficientes.

      Pesquise sobre o Universo BDSM, faça amigos no meio, cheque a reputação da pessoa (alias, das pessoas... todas), não tenha pressa e coloque o bom senso sempre a frente de qualquer passo.

      Quanto a questão do "prazer bizarro", quis dizer de algo que penso e serve para mim, mas isso não necessariamente indica que não possa vir a acontecer com quem quer que seja.

      Acho que as pessoas (a maioria pelo menos) têm limites e uma submissão sem restrições seria uma submissão sem limites. Qualquer coisa que seja "sem limites" acho particularmente perigosa... mas isso é o que eu acho.

      A linha se situa nas suas próprias restrições e limites que vão ser colocadas no começo da relação com o seu parceiro, que obviamente vai ter as dele também.

      Excluir
  33. Flor de liz10.7.16

    Conheci um submisso e descobri que sinto total realização em domina-lo.

    ResponderExcluir
  34. Anônimo6.8.16

    Olá tenho um forte desejo de ser submissão mas como saber se um homem tem esse desejo dominador sem deixar transparecer esse interesse?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A comunicação é a chave neste caso. Imagine que você goste de Swing... como saber se o seu parceiro tem interesse nisso?

      Acho que se sutilmente trazer o assunto de forma leve mas recorrente, o parceiro se tiver um Q.I. de mais de um dígito, vai perceber as suas intenções veladas e deve entrar no fluxo.

      O Universo BDSM é algo que ocorre na alcova e assim como as coisas de alcova, é de bom tom não se deixar transparecer.

      No mais e talvez com um pouco de sorte, mesmo não sendo um Dominador este indivíduo possa a vir ter interesse nessa direção a partir das conversar.

      Então, boa sorte.

      Excluir
  35. Anônimo20.12.16

    A pouco tempo meu Dono me descobriu e está me iniciando como submissa, eu amo, mee submeter as vontades dele em tudo, pena não podermos vi de uma relação 24/7 é um sonho pra mim.

    ResponderExcluir
  36. Anônimo17.4.17

    Moro em Roraima. Descobrir q sou um Dominador, comecei ler sobre o BDSM e me encontrei, atualmente estou começando um relação cm uma submissa , uma amiga q após conversarmos descobrimos q gostamos desse universo.
    Ela leu bastante sobre o assunto e se descobriu cm SUBMISSA, o q diverge cm sua vida social, na sociedade ela é totalmente dominadora te função de gerência em uma empresa e muitos funcionários submissos hierarquicamente a ela.
    Faço esse comentário pra reforçar q no mundo BDSM,a mulher pode ser totalmente Submissa e levar uma vida social normal.
    Minha SUBMISSA está desempenhando sua função c êxito,dedicação e me realiza em tudo.
    Cm uma boa submissa q ela é...me deixou livre pra ter qntas eu puder cuidar,zelar e me realizar.
    Eu cm DOMINADOR,sempre cuida da unha submissa,cm carinho, responsabilidade, castigo e sobre tudo lhe proporciono múltiplos orgasmos.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.