Choque de realidade II: quando o parceiro supera nossas expectativas



No texto “Choque de realidade no BDSM”, deixei de explorar o viés que será apresentado agora, por ser algo que merecia uma análise isolada e mais profunda, e me concentrei na faixa de ocorrências que se enquadram nos casos de "não era bem isso que eu esperava": 

  • a decepção pela falta: quando as expectativas são grandes e o que se encontra não é "lá essas coisas";
  • a decepção pelo engano completo: quando o que se encontra é outra coisa, que pode ser apenas diferente ou bem pior.

Mas faltou dizer o que acontece do outro lado do gráfico: quando se acha mais do que procurava.

É tudo de bom quando se deseja muito algo e esse "algo" acaba superando nossas expectativas. Porém, no BDSM, por mais incrível que possa parecer, as coisas podem dar “muito errado” quando as expectativas são superadas... e é o que pretendo analisar aqui.

Tal situação é menos frequente que a “decepção pela falta ou pelo engano completo”, mas não deve ser ignorada, pois seus efeitos colaterais podem ser ainda mais decepcionantes. E isso acontece, justamente, na escolha do parceiro, que é na minha opinião a maior dificuldade dentro do BDSM… ou melhor, em toda a nossa vida no que tange às relações afetivas e profissionais.

Acontece assim...

O indivíduo tem uma vida tranquila e equilibrada em todas as áreas, menos nos relacionamentos… O sexo vai mal... falta alguma coisa... e através de filmes, livros e amigos, descobre o universo BDSM. Um lugar onde pode viver de acordo com sua natureza submissa ou Dominante (ou as duas, no caso dos switchers).

Na verdade, só falta isso: colocar para fora algo que está preso e sufocado. 

De resto, não quer que mais nada mude. E esse tal "não quero que nada mude" tem a ver com alguns fatores, entre eles, o fato de se viver um casamento (ou namoro) estável, do qual a pessoa não quer se desfazer, seja lá por qual motivo for.

E logo em suas primeiras pesquisas sobre o mundo BDSM, percebe que através dos fundamentos do S.S.C. (Sanidade, Segurança e Consensualidade) pode ter a chance de encontrar um parceiro para viver a sua natureza de forma plena, sem que tenha outros aspectos da sua vida afetados… entre eles, o seu relacionamento baunilha. Aí, entra de cabeça numa busca desenfreada por esse parceiro.

Só que agora, vou pular algumas etapas...

  • Os casos em que poderia encontrar todo tipo de “sem noção”, parasita, doente ou criminoso pelo caminho;
  • Os casos em que poderia encontrar um parceiro tecnicamente perfeito, reunindo o “básico” para que tudo dê certo (reputação, atitude, experiência e conhecimento), mas que no fim, a coisa não funciona simplesmente pela incompatibilidade entre as partes.
  • Os casos em que poderia encontrar seu oposto complementar perfeito e absolutamente dentro das expectativas, certeza de um "felizes para sempre, eterno enquanto dure".

Quero falar aqui apenas daquela situação onde o parceiro venha a superar (às vezes, de longe) a tudo que a pessoa estava buscando naquele momento. Esse tipo de descoberta não ocorre ao mesmo tempo em que se percebe que esse é o parceiro perfeito dentro das expectativas iniciais. Isso só vem à tona depois...

E tal como acontece no choque negativo, quando o parceiro se revela “bem menos” do que aparentava, o indivíduo é surpreendido só que de uma forma bem mais difícil de se lidar. Quando o parceiro é "menos", sofremos, porém é mais fácil sair da relação. Mas quando é "mais", os sentimentos são elevados para um patamar em que desatar esse “nó” já não é tão fácil.

O motivo? Simples… um dilema de valores é criado.

Diante dessa criatura, os valores do indivíduo são realinhados e o que tem em seu relacionamento baunilha, que antes poderia ser minimamente aceitável, passa a ter uma nota extraordinariamente baixa. E o primeiro impulso é tentar trazer essa pessoa para participar de todos os aspectos de sua vida, fazendo com que a relação comece a transgredir os limites do BDSM.

E isso é ruim? Não... e nem bom... apenas é o que é. 

Isso só é um problema para quem não tem os seus valores restritos à própria realidade, o que os leva a tentar impor constantemente tais valores dentro da relação... E também, para os que não têm razões bem definidas para o seu movimento de transição do baunilha para o BDSM.

O que fazer, então?

O melhor é estabelecer o que NÃO fazer, pois o que fazer é simples.

  • Não se deve ir com “muita sede ao pote”, já imaginando que a pessoa se transformará em um parceiro de vida. Afinal de contas, existe uma chance bem razoável de que a descoberta de uma pessoa "a mais" possa valer apenas para o indivíduo, ou seja, o outro não deseja ter o mesmo nível de relação que ele almeja. Principalmente, no caso de Dominadores (meninos ou meninas) que já possuem outros relacionamentos BDSM;
  • Não se deve tentar “curar” a pessoa das suas tendências BDSM. Ou seja, aqueles casos em que ela vive o BDSM e tudo não não passa de fantasia e fetiche para o indivíduo. Nessa situação, pelo ponto de vista dela, ele é que precisa "ser curado";
  • Não se deve tentar acelerar processos… Numa relação BDSM, quando se coloca “o carro na frente dos bois”, as chances de dar tudo errado são grandes, já que é fundamentada em hierarquia, autoridade e confiança, coisas que levam tempo para serem consolidadas.

No fim, é tudo uma grande coisa só...


Depois de buscar por respostas cada vez mais longe, percebi que tudo era bem mais simples e estava bem diante dos meus olhos.

O mundo baunilha e universo BDSM não existem como lugares físicos, para “onde se possa ir” e “de onde se possa vir”. São dimensões que ocorrem apenas no âmbito das relações afetivas e com fronteiras não muito bem definidas entre si.

De físico mesmo, só o mundo em que vivemos e extraindo-se toda a perfumaria, condimentos e uma boa parcela de gordura, o que resta é vida. Nem boa... nem ruim... apenas vida.

O que nos resta é fazer o melhor e caprichar nos capítulos enquanto estivermos por aqui, pois já sabemos que a história, como um todo, termina num final que também não é nem bom, nem ruim... termina bem no fim.

Devemos apenas seguir o fluxo, deixando que as coisas que têm que acontecer, aconteçam… naturalmente, no seu ritmo. E acima de tudo, expandir a nossa capacidade de percepção, para que possamos aproveitar tudo que esse “encontro” possa nos oferecer enquanto durar. 


GLADIUS MAXIMUS


2 comentários:

  1. Anônimo30.8.17

    Ter um "relacionamento" bdsm é menos complicando que eu imaginei...
    Porém tenho uma pergunta: como no filme 50 tons de cinza, as pessoas que vivem nesse "relacionamento" podem se casar? Ou foi algo inventado pelos cineastas diretores do filme? um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua pergunta foi respondida no programa PAPO COM GLADIUS nº 34, na rádio www.agitaplaneta.com, no dia 13/09/2017. Para ouvir é só seguir o link abaixo para o meu canal no youtube:

      50 Tons de Cinza: um dominador pode se casar com sua submissa?

      www.youtube.com/watch?v=R-F1kCSwiLc

      Um abraço

      Excluir

Tecnologia do Blogger.